quinta-feira, dezembro 07, 2006

avazer euq ueta o

Naquela tarde modorrenta de abril, Luís Alberto ajoelhou-se diante do cruzeiro. Rezou. Contemplou o altar da bela igreja. Rezou de novo. E então, Luís Alberto agradeceu aos céus por ser um ateu convicto.

Um comentário:

Salvaterra disse...

Luís Alberto bastante grato. vai ser assim então, na próxima vou de supermercado.